TEXTOS

Claire Heggen - Théâtre du Mouvement
Philippe Genty
Hubert Godard
Michel Foucault
Heinrich von Kleist
Paulo Freire
Notas Pessoais:

Os formadores e decisões de circuido em arte  palavream teoréticas incoerentes com suas próprias práticas/políticase  e  ....  falam de linguagem. E a linguagem continua a ser um gozo pra mim, uma questão, um desafio, mas o que vejo eh que muitos de nós não chegam a depurar essa camada (da linguagem) porque eh preciso aprender sobre essa outra (o próprio movimento de implementação da criação).

A primeira não pode ser boa, porque não recebeu trabalho. Paralizar a continuidade do processo de criação porque o "trabalho não está bom" é um gesto incoerente de autoniquilamento. Nós nos autoboicotamos, "nunca achamos a idéia suficiente" (Ju Sarmento).

E esse gesto de avançar no projeto com a clareza dos movimentos de avanço do porvir, é um gesto de dessacralização de um certo ideário do trabalho artístico: o artista não trabalha, de fato, como o lojista, mas tampouco é um iluminado cuja emersão de seu trabalho é um advento metafísico. Ela a nora de Picasso(?) '1% de inspiração  e 99% de inspiração'.

Ou o diretor de cinema que vi dizer: 'Me perguntaram se fiz o filme no improviso. Sim! Mas antes eu ensaiei muito.'

O que me incomoda e me retira toda a gana de ver arte "contemporânea" é que ela é calcada num movimento do pensamento. Até aí, bem. O problema é que em seu processo de ampliação de circuito, e nos muitos âmbitos de formação que se criaram nesse contexto, uma pessoa logo entende que é preciso verberrar conceitos ou pensamento de alguma forma para ser aceito. Todavia, é preciso, no meu querer, que o trabalho sustente o verborreio. O que acontece é que para isso, é preciso uma adensada experiência , mas esta não é proporcionada pelo meio porque está ocupada em produzir reflexões. Do que decorre uma inconsistência que a meu ver desdobra-se:

1- em uma leva de charlatões que emitem pensamentos sem comprender a miúda o que implica

2- uma rede ancorada nesse charlatanismo onde o que importa são as relações de poder em jogo (isso sempre), mas uma relação de poder que